. seremos o que somos se somos o que fomos .


- Acho que você derrubou de propósito.

- Juro que não!

- Conveniente, né? Logo em cima do meu peito. Vai aproveitar o clima nós dois aqui no seu quarto e se oferecer pra limpar também, não é?

- Como?

- Quer limpar?

- Minha querida...

- Quer limpar?

- Não me...

- Qual o problema? Não há nada de errado em você me limpar o peito.

- Não há? – por um breve momento ele deu a entender que não continuaria a falar – Você não é, escute-me bem, você definitivamente deve ser boa de apertar mas eu conheço bem essa característica de vento grosso enfiado no rabo de porco com oito moedas antigas da mamãe alegórica homenageada na festa de enrabada de Dom Pedro Primeiríssima, o Deus-Sol. Sem querer dizer com isso que eu seja algum tipo de solução para o mundo em comparação com você que não é nada mas se não consegue ter um olho desintegrador de enigmas em cada pedaço desejável de sua cútis no mínimo então aprenda a pose de quem vem de cima e perca-se nisso até ser natural. Quer saber, isso é conhecido entre as putas e os filósofos como coringa existencial. Agradeça-me, vamos, estou lhe entregando o segredo do universo. Saiba porém que a coisa nem é com você pois apesar de tudo eu mesmo assim me turvo na confusão das dançarinas com faceirice de virilha emocional e inchaço volitivo de tanto vai e vem técnico das vértebras labiais competível a nível mundial pois se dizem que até os deuses são inúteis quando não sabem dançar, imagine, então, e nós? Você, por exemplo, é uma delícia. Seria legal, se acaso conseguir, entender apenas que sobre seu peito há uma das principais defesas do conservadorismo dimensionalmente duro e convalescente ao escorregadio gozo dos libertadores nas democracites políticas pois é óbvio que as manhas femininas sempre renivelaram as evoluções e as soluções ao nível pré-animal que grunhe. Só isso já é razão para vocês serem tratadas cuidadosamente em vitrines de museus psicanalíticos com incansáveis placas néon alertando perigo social e pedidos para que as garotas sirvam apenas para o que mais prestam, a preço de banana. Bem, eu dizia sobre enfeites, não é? Não? Na verdade, que se lixe. Tenho até outras idéias sobre a porra toda quando olho pra você desse jeito. Sabe, acredito que a psicologia e a pecuária – além das suas amigas – aplaudiriam tua conduta. Mas, criatura excelente, o quê sabem as ciências? Me abstenho sobre suas amigas... ora essa, cara de asco! Não conheci seu pai mas ele deve se envergonhar de ter uma filha com uma birra tão curiosa que nem percebe a chamada dos jorros entrelaçados no rodopio da trairagem normal e inadiável sobre a putaria objetiva que devemos ter nessa merda de vida pois nem a verdade e nem a fodelança lhe dão direito a algo. Muito menos o de estar certa. Olha, confesso que agora te olhando assim se ajeitando encolerizada vejo que é mesmo bonita feito pomba... claro, pomba gênio, pois se irrita numa tensão ensopada de aranha com el cortex labial da madame santificada na famosa e incansável cabeça do eterno caralho da meia-noite. Só peço pra quando sair não bater a... sua puta... e ainda vou ter que levantar e ir trancar a porra da porta. Viram? Eis hoje o homem: um sopro de merda na desgraça pela liberdade das bucetas só pra fuder com a caralice na mão. Não há esperança para os homens. A existência é uma imensa e voraz vulva faminta enquanto o homem é apenas um inútil vibrador falante. Orquídeas – e a natureza nos diz tudo – fodam-me todas. Ladies, vocês venceram. Estou de pau duro e agora já indignado por ter dispensado a vagabunda.